Em uma empresa, alguns ciclos são inevitáveis. Um deles é a saída e contratação de colaboradores. Nessa situação, alguns gestores logo buscam alguém dentro da organização para preencher o cargo. Já outros imediatamente recorrem ao recrutamento externo.

Mas, de fato, qual é a melhor alternativa para eleger um novo membro para a equipe? Neste artigo, você vai entender como funciona cada modelo e quais são os prós e contras das opções. Ao fim, poderá perceber que existem diversos fatores a serem considerados nesse momento crucial de decisão na empresa.

Continue a leitura e confira!

Conhecendo as opções de recrutamento

Em uma organização, o índice de saída de colaboradores costuma ser observado de perto pelos executivos. Segundo dados, 80% da rotatividade de profissionais se deve a decisões equivocadas de contratação. Por isso, esse é um momento que exige cautela e investimento.

Assim, conhecer as opções disponíveis de recrutamento é essencial para que a gestão de RH perceba o que é mais adequado às necessidades organizacionais. Afinal, cada modelo pode conduzir a diferentes perfis de profissionais, e é preciso saber qual é o alvo do cargo em questão.

Recrutamento interno

Já pensou que o perfil ideal para a vaga disponível pode estar mais perto do que você imagina? O recrutamento interno busca, dentro da empresa, possíveis candidatos.

Esse cenário é típico, por exemplo, em casos de promoções, nos quais um profissional já conhecido por seu bom desempenho assume um cargo de nível superior.

Ainda há a possibilidade de aderir ao recrutamento interno com anúncio tradicional de vagas, por meio de um quadro de avisos ou outra ferramenta de comunicação corporativa. Os colaboradores interessados se candidatam e participam da seleção.

Há casos ainda em que a empresa tem à mão perfis de alguns profissionais que prestam serviços terceirizados e faz o convite para que o indivíduo integre a equipe permanentemente.

Recrutamento externo

No recrutamento externo, a busca é por um candidato desconhecido que se encaixe no arquétipo construído pela equipe de RH. A procura se dá de variadas formas: anúncios em redes sociais da empresa, publicação em sites de vagas, indicações, entre outras.

Além disso, é possível contar com uma consultoria de recrutamento e seleção de profissionais. Essa alternativa tem sido muito usada por fornecer uma visão mais ampla e especializada para atender as necessidades da organização.

Recrutamento misto

Existe ainda um terceiro modelo de recrutamento de candidatos, que é o misto. Ou seja, as vagas são abertas para ampla concorrência de colaboradores da empresa ao mesmo tempo que para profissionais de fora. Os dois grupos passam pelas etapas de entrevistas e testes juntos e são alvos dos mesmos critérios.

Por vezes, a empresa ainda opta por analisar prioritariamente talentos internos, como uma forma de valorização; feito isso, em seguida, parte para o recrutamento externo.

Essa é uma alternativa muito interessante e que utiliza todas as possibilidades disponíveis. No entanto, pode resultar em mais material de análise.

Entendendo as perspectivas de cada modelo

Você já deve ter entendido que não existe uma fórmula pronta para optar por um recrutamento externo, interno ou misto. No entanto, existem alguns fatores a serem ponderados que podem ajudar para tornar a tomada de decisão mais viável.

Custos

Uma das principais questões envolvendo o processo de recrutamento são os custos. E eles vão além do investimento financeiro com divulgação de vagas, softwares de construção de arquétipos ou tecnologias para filtragem de currículos.

Existe também um investimento em capital intelectual, seja da própria equipe de RH, que vai ficar responsável pela demanda, seja com a contratação de uma consultoria.

Por isso, é preciso que esses custos sejam ponderados. Como citamos no início do texto, uma contratação equivocada pode pesar no faturamento de uma empresa, já que processos de demissão e nova seleção são dispendiosos.

Tempo

Também é preciso considerar o tempo a ser investido no recrutamento. Existem casos de urgência para preenchimento de uma vaga e, nessas ocorrências, buscar alguém dentro da empresa pode ser uma solução interessante.

Outras situações já permitem uma análise mais demorada, o que é sempre aconselhável. Então, aplicar o recrutamento externo pode ser ideal. Seja qual for o caso, é preciso ter em mente que não há desperdício quando se trata de uma decisão acertada.

Ambiente organizacional

Por vezes, gestores sentem a necessidade de mudança no ambiente organizacional. Isso pode ocorrer por conta de desentendimentos dentro das equipes, baixo engajamento ou, até mesmo, pelo desejo de aumentar a diversidade no time e fomentar pensamentos inovadores.

Se algum desses casos se aplica à situação da sua empresa, optar por um recrutamento interno pode não ser boa ideia, afinal, você vai ter acesso apenas a perfis conhecidos e eliminar a chance de incorporar novas perspectivas à equipe.

Tipo de cargo

As características da vaga em aberto também precisam ser levadas em conta ao definir o modelo de recrutamento. A função a ser exercida é nova? Caso seja, será que existe na empresa alguém com as competências e habilidades para ela?

Se for necessário realizar treinamento para adaptar um profissional à vaga, os custos e o tempo podem aumentar. Para cargos de gerência, por exemplo, escolher alguém que já está na organização para ser promovido pode ser interessante e mostrar que a empresa valoriza seus colaboradores.

Por outro lado, cargos executivos, por vezes, exigem um olhar “limpo”, para analisar e fazer mudanças, que apenas um novo profissional pode trazer.

Escolhendo a opção adequada

Para escolher entre recrutamento externo, interno ou misto em sua empresa, uma análise detalhada das necessidades e possibilidades do momento precisa ser feita. Para isso, é indispensável examinar fatores como tempo e recursos disponíveis, desejo de mudanças, valorização de colaboradores e cargo a ser ocupado.

É importante ressaltar que uma organização não precisa realizar todas as suas contratações utilizando o mesmo processo. A escolha é maleável à situação vivida.

Esperamos que este conteúdo tenha sido útil às necessidades da sua empresa. Entendemos que o recrutamento externo ou interno é um momento de grandes expectativas para os gestores e para a equipe de RH. Assim sendo, conhecer as diferenças e as melhores estratégias para realizar esse processo é fundamental.

Queremos continuar compartilhando informações de qualidade que podem agregar conhecimento à sua organização. Siga-nos no Facebook e no LinkedIn e não perca nossas atualizações!