Entenda como o design thinking pode ser aplicado na área de RH

design thinking na área de RH
6 minutos para ler

Pensar como um designer: como é possível e por que você deveria desejar isso? Essas são as perguntas que vamos responder neste artigo, mostrando como o conceito de design thinking pode ser extremamente útil para a área de RH de sua empresa.

Essa mentalidade tem sido pré-requisito em grandes corporações, como Nike, Coca-Cola e IMB e os resultados superam empresas do mesmo setor em 211% no Índice de Valor de Design, segundo pesquisas.

De acordo com o criador do método — o CEO da IDEO Tim Brown — trata-se de uma disciplina que usa a sensibilidade e os métodos dos designers para unir as necessidades das pessoas com o que é tecnologicamente factível, convertendo uma estratégia de negócios em valor para o cliente.

Que tal aprender a usar esse método para criar experiências ainda mais satisfatórias para os colaboradores de sua empresa?

As etapas do design thinking

Para começar, vamos caminhar pelas etapas do design thinking. Tim Brown definiu alguns passos dados pelos designers na hora de idealizar um novo produto ou solução.

Segundo ele, é possível ter uma mentalidade inovadora mesmo não sendo da área de designer, basta exercitar esse pensamento e incorporar as etapas aos processos da empresa. Conheça quais são elas.

Empatia

Olhar com o olhar do outro. O quanto essa prática é fácil para você? A empatia é a primeira etapa para criar soluções de forma inovadora, afinal, você entenderá a fundo as necessidades do seu público.

Trazendo para a área de RH, a empatia é uma virtude a ser incentivada em todas as hierarquias, de forma que líderes e colaboradores percebam as necessidades uns dos outros, criando um ambiente mais fluido e sadio.

Definição

Após compreender essas necessidades, é hora de definir o problema do seu público. Por vezes, ele é demasiado grande e, por isso, uma estratégia interessante é decompô-lo em problemas menores, resolvendo um por vez.

Ideação

Para os designers, o momento da ideação é quando o problema é exposto e as soluções são sugeridas. Ele é composto de duas etapas, uma individual, em que cada um pensa em soluções para o problema, e outra coletiva, em que as ideias são compartilhadas e as melhores são escolhidas para serem prototipadas.

Prototipação

Nesse momento, as diversas soluções sugeridas serão transformadas em protótipos, para serem testados com usuários reais. Esses protótipos podem ser produtos físicos, digitais ou mesmo processos.

Testes

O teste é o momento da verdade, em que as ideias serão apresentadas aos usuários. Este é um momento muito rico, em que teremos vários insights, que podem levar a ajustes no projeto ou até mesmo ao descarte da ideia, caso ela não funcione.

É importante lembrar que o design thinking é um processo iterativo, o momento teste vai fornecer informações sobre o usuário que serão usadas em uma nova rodada de empatia, definição, ideação, prototipação, novos testes e assim por diante. É um processo de aperfeiçoamento contínuo.

Os benefícios para o RH

Apesar do design thinking ter grande visibilidade em empresas de tecnologia, esse método não tem aplicação apenas no Vale do Silício.

Experiências na área de RH têm confirmado que o uso de um pensamento de design para esse setor traz inovação para os processos e, também, resulta em maior satisfação dos colaboradores e uma comunidade forte e engajada.

Isso porque o RH passa a desenvolver um pensamento totalmente centrado nas pessoas e na solução de seus problemas. A vice-presidente de operações pessoais Claudia Fry relatou em um artigo a motivação para usar esse método em sua empresa, a FiveStars.

“Não quero que fiquemos confinados pelos limites da velha escola do RH. Queremos mostrar às pessoas que o RH pode ser feito de uma maneira que afeta o resultado final e faz algo muito especial para nossos funcionários. Isso cria significado em seu trabalho e nos ajuda a criar uma comunidade que não pode ser duplicada”, afirmou Claudia.

Queremos pontuar alguns benefícios encontrados por empresas que já têm colocado em prática essa metodologia. Veja:

  • mentalidade centrada nas pessoas;
  • facilitação na condução de mudanças;
  • inovação em processos (pensamento fora da caixa);
  • melhora da experiência do colaborador;
  • aumento do engajamento;
  • team building;
  • solidificação dos valores da organização;
  • melhores resultados para a empresa.

As formas de usar o design thinking

Agora que você sabe o poder do design thinking para a área de RH, vamos mostrar como ele pode ser aplicado de forma efetiva em seu setor. Separamos algumas técnicas que podem revolucionar o dia a dia do RH.

Processos Iterativos

As técnicas do design thinking são eficientes em criar processos centrados em pessoas. Isso acontece porque o pensamento de design permite que a equipe de recursos humanos entenda o que os profissionais estão buscando na empresa, mantendo um canal de comunicação aberto e revisitando processos continuamente.

Experiência do candidato

Investir em um profissional começa ainda em sua experiência como candidato. Não é raro encontrar talentos desistentes de uma vaga ou desapontados com uma organização após o processo seletivo.

Usar técnicas do design thinking vai permitir enxergar o processo do ponto de vista do candidato e assim tornar a experiência ainda melhor.

Jornada do colaborador

Mapear a jornada do colaborador é uma forma muito eficiente de identificar situações que podem estar fazendo sua empresa perder talentos. Essa técnica também pode ser muito útil para identificar formas de tornar processos internos mais eficientes e produtivos.

Trabalho em equipe

Um ambiente mais colaborativo possibilita novas perspectivas para a resolução de problemas. As técnicas de ideação usadas pelo design thinking podem gerar soluções criativas pois incentivam o compartilhamento de pontos de vista, de maneira horizontal, gerando uma visão ampla das necessidades e abrindo espaço para novas ideias.

Storytelling

Contar histórias de forma que gere emoção e engajamento é uma técnica usada na etapa de empatia. O storytelling é uma forma eficiente de compartilhar o ponto de vista de um grupo e gerar consenso em torno dele. Esta técnica pode ser particularmente útil para conduzir mudanças ou para sensibilizar um público interno a repeito das necessidades de outro público, sejam candidatos no processo de recrutamento ou colaboradores que precisam ser motivados.

O storytelling é mais uma ferramenta do design thinking que possibilita que o público sinta que seus desejos, necessidades e problemas são entendidos pela empresa.

Esperamos que você tenha percebido o grande potencial do design thinking para a área de RH. Fazer uso dessa mentalidade e incorporá-la aos processos diários pode trazer uma grande renovação para o setor de recursos humanos em sua empresa, trazendo inovação, empatia e satisfação, fortalecendo a cultura organizacional e proporcionando resultados excelentes.

Que tal continuar recebendo artigos que podem impulsionar sua carreira? Para isso, basta assinar nossa newsletter!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-